domingo, 6 de janeiro de 2013

Depoimento de uma sobrevivente

Um depoimento espontâneo de um familiar sobrevivente de suicídio nos chegou por via do Suicídio: conhecer para prevenir (http://conhecerparaprevenir.blogspot.com.br/).

Como este blog tornou-se um espaço de convivência e troca, publicaremos depoimentos como este e outros,  sempre que possível.

Inexplicável é a dor da família de um suicida, o sofrimento parece uma fratura exposta que sangra a todo momento. 

Busca-se constantemente entender algo que parece surreal. 


Meu companheiro suicidou-se há alguns meses. Para mim ele morreu hoje, a dor é a mesma que senti quando atendi aquele telefonema que destruiu minha vida. 


Eu que sempre tive projetos,sonhos, me vejo todos os dias catando meus cacos que ficaram pelo caminho. 


É muito difícil e às vezes me falta força para pensar em seguir, é como se eu estivesse vagando pela vida, sem rumo, sem futuro. 


Me sinto numa montanha russa emocional, não sei descrever meus sentimento. Em um dia a dor me paralisa, me cega, no outro peço a Deus que me ajude a conviver com essa dor, já que desistir de entender que algo tão absurdo como esse aconteceu, já desisti de buscar respostas, simplesmente elas não existem... 


Aceitar? Impossível.


Meus sentimentos a você e sua família, de alguém que sabe o que estão passando, queria dizer que "tudo isso vai passar" e o "tempo vai curar", frases feitas que escutei e escuto todos os dias, mas não seria verdade. 


Conselho? Tentem sobreviver, vivendo um dia de cada vez. 

2 comentários:

  1. Olá eu também sou uma sobrevivente do suicídio, e repetente.... já tentei me suicidar algumas 5 ou 6 vezes, mas aparece sempre algo na hora H.... a primeira vez que tentei me suicidar tinha 19 anos... Tive uma infância, e uma adolescência muito complicada, e sufocante, cheia de fantasmas que vou carregar até o meu túmulo... e sou espirita, é uma vergonha, eu ter conhecimento espirita, e agir desta forma devastadora, e tenebrosa....frequento a casa espirita, faz 10 anos... mas ainda penso muito no suicidio.... há-de chegar o dia em que um dia.não vai lá estar ninguém, para mais uma vez salvar...
    Eu vejo no suicidio, uma forma de me escapar de todo esse sofrimento que me faz morrer aos poucos.... e hove uma pessoa pessoa espirita que me diz, que isso não vai acabar o meu sofrimento, mas sim aumentar a minha divida para com Deus, e o meu sofrimento, mas eu penso muitas vezes que prefiro, sofrer no lado de lá, do que no de cá, porque deste lado, existem pessoas que sofrem comigo....o meu marido, os meus pais....meus amigos.... e então me tornei a akila problemática..... e sinto que quando alguém olha para mim, me vem com um problema e um fardo e não como a akila amiga e que tambem tem sentimentos...
    No acto do suicidio, so queremos morrer...mas o que fica depois? Um vazio... um vontade de voltar a tentar o suicidio, uma veergonha por as outras pessoas saberem que fizémos isso..... mas ninguém questiona o que está por traz disso... e começam a achar que temmos problemos serios de psikiatria, e que deviamos estar internados....quando no fundo so precisammos alguém que nos oiça, e nnos saiba compreender...enfim...o suicidio, acaba por se tornar um vicio, do qualcomeçamos a gostar e não mais queremos sair...

    ResponderExcluir
  2. Akila, é preciso desejar sair deste círculo da morbidez, desta atração que tens pelo horror... ainda é tempo de refazer o caminho e fazer valer a pena viver e resistir.

    Você desejar te ajudaremos a fazer um tratamento espiritual à distância. Me escreva (abelsidney@gmail).

    ResponderExcluir